ESPECIAL DIA DAS MÃES: O QUE MINHA MÃE ME ENSINOU QUE VOU ENSINAR PARA MINHA FILHA

POSTER

Eu sempre me senti fora de contexto quando minha família se juntava, meu irmão sempre zoou comigo dizendo que eu era adotada e eu até acreditei várias vezes, como não acreditar? Eram todos tão diferentes de mim. A começar pela aparência física, minha mãe é uma mulata esbelta, cabelo cacheado, rosto fino, pele cor de âmbar. Eu nem sou #aloka da astrologia, mas acredito sim na influência dos signos na personalidade de cada pessoa, e parece ser ainda mais evidente quando olho pra dentro da minha família, deixa só eu te explicar a situação: Meu pai é do dia 03/03 e meu irmão também, minha mãe é do dia 17/03 e o meu padrasto também e eu sou de JUNHO. Ou seja, todos na minha casa são de peixes, eu sou a única de gêmeos. Eu acho todos eles muito parecidos, minha mãe e meu irmão parecem pensar igual, parecem compartilhar da mesma mente, quando eu sempre fui meio, diferente.

Mas isso aqui não é nenhum lamento, já me senti mais estranha em relação a isso, hoje vejo como as coisas funcionam e acho incrível todas essas nossas diferenças. Na verdade, eu quase que começo a me preparar pro que vem pela frente, a Luninha também é portadora de um signo forte, é de Sagitário, e eu já fico ansiosa pra saber como vai ser a personalidade dela, se vai ser mais ousada ou mais na dela, se vai ser mais falante, ou mais observadora, se vai ser caseira ou do mundo… Todas essas questões me assombram e me encantam ao mesmo tempo. E é aí que vem na minha mente, como ela conseguiu? Como ela conseguiu vencer todas essas diferenças e fazer de mim tudo o que sou hoje. Quanta paciência, quanta tolerância, quanto amor, dedicação, carinho, companheirismo… Com certeza ela teve que rebolar, com certeza teve que se reinventar diversas vezes pra acompanhar o meu ritmo e tentar entrar um pouquinho no mundo dessa filha que sempre foi tão mutável.

Ela me ensinou a ganhar o mundo, a ser independente, me ensinou que ninguém tem o direito de me dizer o que eu posso ou não posso fazer, e que quando a gente quer bem feito a gente tem que ir lá e fazer. Ela me ensinou que nada vem fácil, e que tudo que for bom requer esforço, Ela me ensinou a ver as pessoas como elas são e não pelo que elas tem, me ensinou que o que te define não são as suas roupas ou sapatos e sim como você trata as pessoas. Ela me ensinou que ser feminina não é um vestido ou uma unha, e que atitudes mudam o mundo mais do que palavras vazias. Ela nunca me ensinou a fazer um bolo ou rechear um lagarto, nunca me disse que ótima esposa eu seria se eu soubesse passar roupa ou desentupir o ralo. Ela sempre me disse que a base de um relacionamento é a confiança e a cumplicidade, é saber se doar pra receber, é saber se dedicar por amor a quem se ama. Talvez ela não tenha me ensinado o Teorema de Pitágoras, mas com certeza me ensinou a sair em busca das respostas.

Minha mãe me ensinou que respeito vem a cima de classe social, de gênero, de cor… E talvez ela não saiba mas, foi com ela que eu aprendi amar, foi com ela que eu aprendi a ser mãe, e por causa dela que eu tenho tanto medo do futuro, medo de não conseguir ser um terço do que ela é. Se alguém me perguntasse o que eu aprendi com a minha mãe que eu gostaria de ensinar pra Luna a resposta seria AMOR, eu quero ensinar a Luna amar da mesma forma que minha mãe me ensinou. Amar o mundo, amar a vida, amar minha família, amar meus amigos… Obrigada mamãe por ter esquecido de me ensinar a costurar e ter me ensinado o que realmente importa.

ESSE É UM POST DEDICADO A MULHER MAIS LINDA DO MUNDO, VALÉRIA CARDOSO, MINHA MAMÃE ❤

5 MITOS SOBRE SER MÃE AOS 20

Eae galera, hoje o Curtindo começa uma nova fase na sua vida. Não sei se vocês perceberam, mas nós nos tornamos .COM.BR!!! É isso mesmo! o blog agora tem domínio próprio e isso é muito legal, eu estou muito feliz e empolgada com as novidades que virão! Então agora ja sabem, quando quiserem acessar o blog, ou divulgar, não precisam mais soletrar w o r d p r e s s pra ninguem, basta www.curtindoavidaatres.com.br .

post

Desde sempre na história da sociedade as pessoas metem o bedelho aonde não são chamadas, e muitas das vezes essas mesmas pessoas nunca nem se quer passaram pelo que você ta passando, na maioria das vezes é aí que surgem os MITOS. Pessoas que nunca passaram pela experiência de ser mãe, ou que já passaram e que generaliza a própria experiência como se tivessem o dever/direito de ditar o que é certo ou errado naquela situação.

Pensando nisso, com base na minha experiência, eu resolvi criar uma listinha com 5 MITOS SOBRE SER MÃE AOS 20, que pode ajudar muitas mulheres que assim como eu tinha muito medo de ser mãe antes dos 30 por diversos motivos que não fazem o menor sentido. Então vamos lá:

#01 VIDA SOCIAL

Eu tenho certeza que a primeira coisa que vem na cabeça de alguém que vai ser mãe/pai nessa idade é ” e a minha vida social? ” , ” e a minha liberdade? “. Definitivamente esse é um dos maiores mitos que assombram essa idade, afinal é aos 20 que as pessoas começam a se sentir mais adultas, é aos 20 que a sociedade começa encara-las não mais como uma adolescente inconsequente e sim como alguém que pode trilhar seu próprio caminho. Então, como abrir mão de toda essa ” liberdade “, de poder viajar, de poder sair com os amigos, por um filho? Muitas das vezes as pessoas que estão ao seu redor falam que você ” jogou sua vida no lixo ” por ter engravidado tão nova e que nunca mais vai ter a chance de viver tais momentos. E esse é o maior mito de todos os tempos, é claro que não vai ser fácil, ninguém nunca disse que seria, mas também não é esse bicho papão. No começo tudo sempre vai ser muito difícil, dizem que o primeiro ano é o mais crítico ( eu ainda estou passando por ele ). Mas é só uma fase, vai passar, as coisas vão se normalizar.

“Ah mas eu não tenho grana pra contratar babá ou alguma coisa assim e minha mãe ja disse que não vai cuidar de menino enquanto eu tiver em festa” – quase todas as pessoas do mundo

Dica de quem não tem babá e nem mãe por perto: traga a festa até você! Isso mesmo, eu e Bruno somos muito felizes com a vida que levamos, e mesmo a Luninha com 4 meses, poderia dizer que nossa vida é mais badalada do que de muita gente que conhecemos. Sempre fazemos no fim de semana alguns petiscos e colocamos umas músicas pra tocar e chamamos os amigos. As vezes é só nós três mesmo, e é maravilhoso! Quanto a viagens, também não tem porque não rolar, vai precisar de um planejamento maior por conta de uma criança, vai sim. Mas se você não  tiver ou não quiser gastar tanta grana, procure fazer pequenas viagens dentro do seu estado. Aqui em Manaus por exemplo existem diversos municípios turísticos que da pra ir de carro e de quebra levar a Luna pra entrar em contato com a natureza.

#02 VIDA PROFISSIONAL

Ser mãe é uma escolha, pessoal e intransferível. No cenário onde vivemos onde a mulher sempre é obrigada a escolher entre profissão e família, como se ambas não pudessem viver em conjunto, é muito importante saber o que deseja e ser firme na sua decisão. Pois realmente é muito difícil você pensar que vai ter que abrir mão de uma carreira por um filho, ou que vai acabar sofrendo profissionalmente por ter feito a sua escolha. Não posso falar por todas as áreas, não sou especialista, mas posso falar de mim. Nem toda gravides é complicada como a minha foi, diferente de mim que precisei parar no terceiro mês, muitas mulheres conseguem levar até o oitavo, e existem muitas leis que amparam a mulher na gravidez. Você precisa estar muito certa de quais são as suas prioridades, e ter alguém que lhe ajude nessa hora é muito importante, seja ela o pai da criança ou os avós pra que lhe deem apoio na hora que a licença acabar. Não é fácil ter que escolher entre sair pra trabalhar ou ficar em casa cuidando do pimpolho, as vezes um puxa uma necessidade maior que o outro. Mas se você não puder escolher, ou não quiser, dependendo da sua área dá sim pra conciliar os dois sem que você tenha que abrir mão de um ou de outro.

No meu caso eu consigo tranquilamente trabalhar de casa enquanto cuido da Luna. Mais uma vez, não é nada fácil e também não é como antes onde eu podia virar bicho na frente do computador sem me preocupar com nada. Agora mesmo, enquanto redijo esse texto ja parei algumas vezes pra amamentar e por a princesa pra dormir. Mas é possível sim, e se você tiver ajuda com as despesas de casa é melhor ainda, assim você pode trabalhar no ritmo que mais lhe conforta sem precisar se sacrificar tanto pra pagar as contas do fim do mês. Mais la na frente pretendo fazer um post pra mostrar pra vocês como eu e Bruno conciliamos família e trabalho, acho que pode ajudar muita gente entender que não é preciso escolher um ou outro.

#03 VIDA ACADÊMICA

Essa aqui eu ainda não posso falar por mim mesma, devido a tudo que a Luna passou achei que seria justo ficar com ela em casa nesse primeiro semestre, mas conheço várias pessoas da minha idade que se tornaram mãe e continuaram a faculdade belíssimas. Umas começaram logo após o primeiro semestre, outras esperaram o primeiro aninho e outras foram até o terceiro. Não importa quanto tempo você vai levar, o importante é você se sentir confortável com a ideia. O interessante a se observar é que quem precisa de segurança com o retorno da vida acadêmica é você e não o bebê. E não tem nada de errado você querer retomar a faculdade logo após ter tido o seu bebe, isso não lhe fará menos mãe e nem medirá o quanto você o ama. E também não fará de você uma acomodada se você decidir esperar alguns anos, mais importante que a presença da mãe é a felicidade que ela transmite ao filho. Uma mãe frustrada com certeza passará sentimentos ruins ao pequeno, tanto por estar em casa pensando que ta perdendo as aulas, quanto por estar nas aulas achando que está perdendo o tempo que poderia estar com o filho.

#04 VIDA AMOROSA

Gente, só uma pessoa muito mal amada pra dizer que com o nascimento de uma criança o amor entre um casal morre. Não faz o menor sentido, quando duas pessoas se amam o fruto desse amor é um motivo a mais pra paixão acontecer, e se por um acaso ela vim morrer é porque morreria de qualquer jeito, não tem nada haver com o nascimento do pimpolho. E mesmo assim, mesmo que um dos lados decida roer a corda, a vida continua. Pessoas legais surgirão pra preencher aquele sentimento, e o fato de você ter um filho com outra pessoa não define nada em um novo relacionamento. Acho que aqui a única coisa importante é saber preservar a criança, o que você faz da sua vida desrespeita apenas a você, entretanto ninguém, nem mesmo os pais, tem o direito de colocar uma criança em situação de risco.

#05 PERSONALIDADE

O ultimo MITO é aquele que diz que ser mãe é ser mãe, confuso? Deixa eu explicar, muito antigamente ser mãe significava ser únicamente exclusiva dos filhos. Significava que a mulher devia abrir mão de toda a sua vida pessoal em prol da prole, e gente, sério, PARA! A mulher não deixa e nem pode deixar de ser quem ela é porque teve um bebe, ela tem que continuar gostando do que gostava antes, fazendo o que fazia antes, sem medo de ser feliz. Por isso se você ainda tinha na mente que se tornar mãe aos 20 é abrir mão de sair com as amigas, ter um namorado, trabalhar com o que gosta ou se formar naquele curso que sempre almejou, APAGA! É um pensamento pré histórico de mais pra quem tem uma vida inteira pela frente.

É isso gente, espero que esse post faça diferença na vida das pessoas. Já sabem, se você gostou não deixe de curtir e compartilhar, assim você ajuda o blog crescer ainda mais. Beijos :**